Página:A Guerra de Canudos.djvu/437

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
369
A Guerra de Canudos

Talvez não houvesse um só que não sentisse brutalmente cerceados seus affectos com a perda de pães irmãos, ou filhos. Todos deviam sentir o coração despedaçado pelas catastrophes successivas. Emfim, nada mais os surprehenderia, visto que, as mais crueis e inverosimeis sensações, elles as experimentavam. Por isso, eram á tudo indifferentes, pois que tudo para elles era acabado.

Grande numero de orphãos, isolados, por bem dizer, da multidão, foi entreg^ue á tutella de officiaes; e tambem praças d'elles se apoderaram, as de reconhecida conducta e com autorisação superior. Muitos, têm sido felizes sob as vistas dos seus protectores. Outros porém forçoso é dizer, sahiram d'aquelle horrivel ambiente de fanatismo, para se arrastarem n'uma semi-escravidão.

O facto é que os prisioneiros se alimenta, vam sob a inspecção do coronel Campello e suas feridas eram pensadas ao cuidado dos benemeritos cirurgiões, sob a direcção do incansavel Dr. Miranda Curio. Jamais faltou-lhes a assistencia que a civilisação impõe em taes casos.

Si alguma excesso, si algum vindicta menos digna e justa foi practicada, não deve ser lançada em conta dos responsaveis pelas forças combatentes, senão á certos, bem poucos tres-