Página:A Guerra de Canudos.djvu/445

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A Guerra de Canudos
377

Ao serem intimados para deporem as armas, investiram com enorme furia. O preto, empunhando um machado, descarregava sendos golpes. N'um momento eram cadaveres, ficando entre os muitos apodrecidos no mesmo local.

Assim, estava terminada e de maneira tão singularmente tragica a sanguinosa guerra, que o banditismo e o fanatismo traziam accesa por longos mezes, naquelle recanto do Territorio Nacional.

O exterminio dos habitantes de Canudos, d'aquelles que despresaram a vida que lhes foi offerecida, era completo. Escaparam á triste sorte os que, impellidos pelas contingencias da fome e da sêde, entregaram-se á mercê dos vencedores. Esses ficavam á espera do seu destino, que em breve ser-lhes-hia dictado.

Penosamente chegava ao termo o que fôra deliberado de ante-mão sobre a destruição de Canudos, com os seus hyenaes defensores. Esses esperavam tudo aquillo, mas fizeram-n'o stoicamente e com uma constancia e firmeza, que, certamente seriam melhor aproveitadas em outra causa, que não aquella, por si tão abominavel.

Mas, essa heroica persistencia em combates, aquella assombrosa fidelidade ao temivel asceta, o commovente amor e o enraizamento