Página:A Guerra de Canudos.djvu/455

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
387
A Guerra de Canudos

brando ter existido o formidavel reducto. Para sua completa destruição foram dadas as respectivas ordens e ao amanhecer de 6, centenas de soldados começaram a afanosa tarefa, amontoando páus, caibros, vigas, ateando-lhes fogo, reforçado com os milhares de corpos perdidos entre as ruinas. Tudo foi demolido, arrancado e queimado: o arrazamento foi completo.

Sob os alicerces das igrejas foram estabelecidas minas, que, explodindo com reboante estrondo, fizeram voar massas enormes de granito, terra e areia. Dentro em pouco dois montões de pedra e materiaes eram os unicos vestigios do que foram as temiveis igrejas. Sómente escapou á destruição o grande cruzeiro plantado em frente á igreja velha e que foi depois arrancado e transportado para a outra margem do rio, indo marcar o local onde varios officiaes estavam sepultados.

No dia 10 tudo mais havia desapparecido. Fôra terrivel o castigo imposto aos perturba dores da ordem e difficilmente os proprios fanaticos sobreviventes reconheceriam os lugares das antigas habitações.

Após o arrazamento total dos restos do arraial, as forças afastaram-se d'aquelles lu gares malditos e foram acampar uma parte na