Página:A Guerra de Canudos.djvu/466

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
396
A Guerra de Canudos

Campello tambem ficou, providenciando sobre o serviço ao seu cargo.

Os batalhões em marcha para Monte Santo e Queimadas escoltavam turmas de 100 e mais prizioneiros, na maior parte mulheres e creanças n'um tal estado de miseria physiologica e crivados de tão horriveis ferimentos, que provocavam a piedade entre os mais endurecidos. A retirada d'essas turmas de infelizes atravéz das extensas estradas, constituia commovente Odysséa. Tendo escapo aos perigos e ás agruras da guerra, empenhavam-se numa viajem para o Desconhecido, ignorando o seu fim, unicamente fiados na misericordia dos vencedores, que, para honra do Exercito, geralmente não lhes faltou.

Os batalhões tinham pressa de chegar as suas paradas; mas eram obrigados á marcar os passos pelos dos capitulados, se arrastando em grandes grupos. Muitos d'elles paravam aqui, ou cahiam mais adeante, para não se levantarem mais, outros, em numero respeitavel, durante a noite illudiam a vigilancia das sentinellas e fugiam, se embrenhando na catinga emmaranhada e deserta e ahi morriam de fôme e sêde.

Na marcha pela estrada, viam-se os destroços da retirada e a cada passo topavam-se corpos d'aquelles desventurados, insepultos, marcando