Página:A Guerra de Canudos.djvu/468

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
398
A Guerra de Canudos

altruista e generoso do affectivo povo Bahiano. Depois, em estrada de Ferro, seguimos para S. Salvador.

Ahi encontramos a Cidade ornamentada a ainda agitada com os restos das festas realisadas pelo povo em massa em honra ao representante do Exercito vencedor, o general Arthur Oscar, que viu a sua pessoa acclamada numa verdadeira apotheose, significativa da gratidão e reconhecimento dos habitantes daquella Capital, onde as familias porfiavam no acolhimento desinteressado aos que, feridos e doentes, necessitavam de mais algum carinho, de mais algum conforto, que não o official.



O velho ex-jagunço, e abnegado guia, o capitão Jesuino, que nos acompanhava desde a expedição Febronio e foi expulso de Canudos, por ser eleitor republicano em Piranhas, mais tarde, acompanhado de uma força e de outras pessôas, voltou ao extincto arraial. Ahi, verificaram extranhas scenas, que referiram e que foram divulgadas por diversos órgãos da Imprensa.

Durante os bombardeios e tiroteios sem fim que flagellavam Canudos, os cães ali existentes em grande quantidade, atemorisados, busscaram as catingas e lá permaneciam, esperando