Página:A Guerra de Canudos.djvu/469

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
399
A Guerra de Canudos

pacientemente o termo d'aquillo, definhando e enfraquecendo lentamente com a falta de alimentação.

Quando todos se retiraram e o ex-povoado voltou a ser a antiga Tapéra, o sólo coberto de destroços e de cadaveres, tudo queimado; quando perceberam o silencio não ser mais interrompido, os cães deixaram o espinheiral e se foram chegando, em demanda de seus donos que não existiam mais. E lá ficaram., ás centenas, durante muitos dias, rebuscando entre as ruinas e os corpos, excavando o sólo, indo e vindo, n'um ganir lugubre e dolorido, n'um uivar ininterrupto e tão sentido, que produzia uma musica funebre e extranha, interrompendo a paz que fôra imposta á custa do sangue e do exterminio.

Esse espectaculo durou algum tempo, até que as lamentações dos fieis animaes cessaram por terem morrido todos, famintos e nostalgicos, junto aos despojos do que foram as casas dos seus senhores.

As chuvas começaram e duraram mezes, enchendo o Vasa Barris, que transbordou. As aguas corriam impetuosas, tudo arrastando na passagem.

Durante a lucta, no leito do rio foram mal sepultados centenares de corpos, que, depois