Página:A Guerra de Canudos.djvu/83

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
69
A Guerra de Canudos

N'esta villa, os depositos de munição alojavam grande cópia da de artilharia, inclusive cem tiros para o Withworth 32 e a sufficiente para a bateria tiro-rapido. As fracções d'aquella arma passaram a constituir uma brigada, ás ordens do coronel Olympio da Silveira, ficando os batalhões 5°, 7° e 9° constituindo a 3°.

Estava, portanto, a 1ª columna bem armada e municiada, levando quinhentos mil cartuchos e prompta para marchar, se ainda não aguardasse o abastecimento de viveres e o transporte respectivo. O coronel Campello, Deputado do Quartel-Mestre-General, depois de muitos esforços, conseguiu partir de Queimadas na manhã de 9, chegando com o comboio na manhã de 11, tudo de Junho, em Monte-Santo, onde verificou que nada existia organisado.

O coronel, fez préviamente seguir de Queimadas o major do Estado-Maior de 2ª classe Martiniano José Alves Ferreira, como encarregado dos depositos, invernadas e serviços analogos. Mas o dicto major, não sabemos por quaes motivos, apenas organisou e arrumou o deposito de munições; não existiam invernadas, accrescendo terem os corpos da columna acampado nos capinzaes proximos. Não havia pessoal sufficiente para condução dos muares; os tropeiros, mal chegavam, regressavam, receiosos