Página:A Guerra de Canudos.djvu/92

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
78
A Guerra de Canudos

rico, prestimoso amigo e auxiliar das forças legaes. O general mandou seguir para o ponto indicado o seu ajudante de ordens, alferes Marques da Rocha, com praças do piquete, que fizeram fugir os jagunços, excepto um, que morreu brigando. O grupo era de 8 a 10 homens.

A columna já estava no Rosario, na zona perigosa, prestes a bater-se e o comboio seguia lentamente na retaguarda. Como vimos, só a 22 partiu de Monte Santo o coronel Campello, ás 9 horas da manhã, chegando ás 5 da tarde em Caldeirão, ahi pernoitando, marchando no dia seguinte para Juá, onde acampou á 23. A' 24 marchou novamente, chegando em Aracaty, d'onde saio á 25, não passando de Jueté, devido á falta de guias, n'um caminho desconhecido, procurando aguadas e potreiros para o grande numero de animaes. N'aquelle ponto a van guarda do comboio estava á vista da retaguarda das forças.

O transporte sob a direcção do coronel Campello, era assim constituido: 48 carros de tracção a muar, com munição; 178 cargueiros com munição; 7 carretas a bois com sal, farinha, assucar, agua-ardente e alfafa; 43 cargueiros com milho; 10 cargueiros do 5° corpo de policia da Bahia, com o effectivo de 463 praças guarnecendo o comboio e 600 cabeças de gado para o consumo das forças, além de ani-