Página:A Menina do Narizinho Arrebitado (1920).pdf/13

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

NARIZINHO ARREBITADO9
 


Aguas Claras. Empertigou-se todo, arrumou a gravata e gritou no ouvido della:

— O' de casa!

— Quem fala? respondeu Narizinho, fingindo não saber de nada.

— Sou eu, o principe Escamado, guarú de prata para te servir.

— E que queres tú, peixinho?

— Quero convidar a menina para conhecer os meus dominios, lá na cidade das Pedras Redondas, no Reino das Aguas Claras.

Narizinho, que não desejava outra coisa, bateu palmas de alegria e exclamou:

A Menina do Narizinho Arrebitado (pag 9. crop).png

— Com todo o prazer! Estou ás tuas ordens, amavel principe das Escamas de Prata.

Dizendo isto, ergueu-se, deu-lhe o braço, e seguidos pela Emilia, que, muito têsinha, ia atraz feito criada, foram-se os dois, como um casal de namorados, em direcção ao Reino das Aguas Claras.

Depois de muito caminhar, chegaram a uma grande pedreira, numa curva do ribeirão.

— A entrada do meu reino é por aqui, disse Escamado, apontando uma furna entre as pedras e dando a mão á menina para ajudal-a a subir. Entraram. Mas a escuridão era peior que a