Página:A Menina do Narizinho Arrebitado (1920).pdf/16

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

12 A MENINA DO

A Menina do Narizinho Arrebitado (pag 12. crop).png

moscas do nosso trato, vae engulir hoje cincoenta pedrinhas redondas, ouviu?

O sapo derrubou um grande beiço, e foi encorujar-se a um canto, muito desconsolado da vida, emquanto Narizinho ria a mais não poder.

Em seguida Escamado abriu a porta e, dando a mão á menina, introduziu-a numa grande sala onde havia um throno.

— E' aqui a sala do governo, onde dou audiencias aos meus subditos e distribuo justiça, castigando os máos e premiando os bons.

Sentou-se no throno e bateu, com um martellinho de prata, tres pancadas num gongo de bronze: pom! pom! pom! Immediatamente surgiu um destacamento de grillos fardados sob o commando do capitão Gafanhoto. Perfilaram-se todos e ficaram immoveis como se fossem de páu.

— Adeante-se! ordenou o principe. O capitão adeantou-se e veiu postar-se em frente do throno.