Página:A Menina do Narizinho Arrebitado (1920).pdf/38

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

34A MENINA DO
 


Narizinho calou-se porque era bem verdade aquillo...

Nisto soaram tambores e clarins ao longe. Era o principe que voltava á frente duma guarda de grillos. O coração de Narizinho bateu apressado.

— Salve! disse o principe logo que viu a menina. Salve a senhora do meu coração!

— Si sou a senhora do teu coração, respondeu ella, quero pedir-te uma graça...

— Ordene que será obedecida, disse o principe.

— Quero o perdão do mestre Agarra, declarou Narizinho, que alli está gemendo com as cincoenta pedras na barriga.

O principe concedeu a graça pedida e ordenou que chamassem o doutor Caramujo para extrahir as pedras. Veiu o doutor co a sua maleta de cirurgião. Examinou o sapo empanturrado, apalpou, ergueu os oculos para a testa e disse:

A Menina do Narizinho Arrebitado (pag 34. crop).png

— E preciso abrir-lhe uma "casa" na barriga.

— Pois abra, ordenou o principe.

O doutor Caramujo arregaçou as mandas, pôz o avental e, ajudado por varias formigas, deu começo á operação. O sapo foi posto de costas, com a barriga para o ar, e as saúvas, com os afiados ferrões, abriram nella um córte. Depois entraram pela abertura a dentro e foram tirando uma