Página:A Onda Verde (1922).pdf/8

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

8

Monteiro Lobato

do sangue da terra. E' exuberante na producção da baga vermelha, mas insaciável de húmus..

Polvo com milhões de tentaculos, o Café sobre a matta e a sovérte.

Nada o sacia.

Já comeu as zonas uberrimas de Ribeirão Preto, Jahú, São Manuel, Araraquara, os pedaços de ouro de São Paulo, e agora afunda os dentes na carne virgem, tresuante de seiva, do Paraná e de Matto Grosso.

Nada lhe detem a offensiva irresistivel.

Não a paralysam geadas monstruosas como a de 1918; nem a inepcia dos governos — que chegou a barrar-lhe o caminho com a cerquinha de taquára de uma prohibição de plantio; nem as taxas e sobretaxas excessivas; nem os impostos de saída; nem a jogatina de Santos; nem a mentalidade altista do fazendeiro.

Caminha sempre.

Tank monstruoso, vivo mas inconsciente, cégo mas instinctivo, lá róla hoje, rumo noroéste, para deante, sempre para deante...