Página:A Vida de Antonio Rodrigues Ferreira.pdf/2

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
14
REVISTA TRIMENSAL


Depois de quasi 28 annos de sua morte, sem que lhe reste um só parente em quem sobrevivesse, abrio-se agora a opportunidade á justiça da posteridade que é ao mesmo tempo a da historia inflexivel.

Tambem uma homenagem séria não é prestada convenientemente sinão um tanto longe do tumulo, quando as paixões amigas ou inimigas se tem acalmado sem que a indifferença tenha ainda começado.[1]

Nasceu Antonio Rodrigues Ferreira [2] na cidade de Nictheroy, capital da provincia do Rio de Janeiro, em 1801[3] filho legitimo de Antonio Rodrigues Ferreira e de D. Marcolina Rosa de Jesus.

Seo pae foi praça do exercito, mas conta-se que, tendo dado baixa e compromettido-se em uma questão de terras, sahio furtivamente para o Rio da Prata, onde por muito tempo não se soube mais noticias suas.[4]

Presume-se com bom fundamento que a mãe tivesse morrido por esse tempo, e que o filho, reputando-se quasi orphão de pae e mãe, estas duas tristezas d’alma, na phrase do philosopho, tivesse por mais acertado procurar occupação decente em outra parte.

Empregou se na Côrte em uma pharmacia franceza, cujo proprietario era exaltado liberal: mas, quando já havia adquerido alguma pratica de botica e a estima de seo patrão, é de sorpresa agarrado para recruta e recolhido á cadêa publica.


  1. Guizot, “Sir Robert Peel, L’Etude d’Histoire Contemporaine, Cap. 1.º, pr
  2. Chamou-se a principio Antonio Rodrigues Ferreira de Macedo; mas, depois de casado, tirou Macedo, que aliás sua mulher conservou até á morte.
  3. Em um artigo publicado no Pedro II n. 1133 de 18 de Junho de 1852 e desta data elle dizia que tinha 52 annos. Logo nasceu em 1801. Nota do transcritor: Por essa informação, teria nascido entre 19 de junho de 1799 e 18 de junho de 1800.
  4. Até pouco antes de sua morte, esteve convencido de que o pae tinha morrido. Teve certeza do contrario por carta que recebeu sua, recommendando-lhe dous moços. Isto referio-me o Snr. Guilherme Augusto de Miranda como tendo ouvido-o ao proprio Ferreira.