Página:A Vida de Antonio Rodrigues Ferreira.pdf/30

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
42
REVISTA TRIMESTRAL


zar de bayonetas; triumpham, porque a sua chagada altera a face dos acontecimentos[1].

Outros poderiam ter os mesmos serviços, os mesmos merecimentos, e até mesmo melhores dotes physicos[2], mas não conquistariam as mesmas victorias, si lhes faltasse essa superior iniciativa.

Aconteceria a elles o mesmo que áquelle heróe de que falla Voltaire, na sua Henriada, brilhando na rataguarda, mas eclipsando-se na vanguarda:—

Tel brille au second rang
Qui s'eclipse au primier.

Fazião-no até grande e respeitado, o que muitos é motivo de profundos desgostos, — certos ímpetos de colara com que costumava castigar os defeitos dos amigos; porque todos afinal reconheciam que esse não era o fundo do seo caracter, aliás naturalmente doce e amavel até para com as proprias crianças só irascivel por amor do bem e do proximo.

Seria defeito de temperamento?

Não sei dizer qual é mais sacrosanto exemplo,
Se Christo quando chama a si os pequeninos,
Se, quando incendiado em impetos divinos,
Expulsa e azorraga os vendilhões do templo.[3]

Mas chefes de partido ha, diz, José de Alencar, que no interesse de sua ambição, servem-se do talento prostituido de um insigne tratante, com quem se atrelam e convivem na maior familiaridade, como amigos e compa-


  1. “Discurso funebre” áo Senador J. Bonifacio.
  2. Ferreira era feio: um pouco baixo, magro, moreno, narigudo, caballo quasi a escovinha, trajava mal, e era inseparavel de uma luneta de ouro que não tirava do olho direito, e o afeiava ainda mais. Era tambem um tanto fanhoso como Gambeta ou J. de Alencar.
  3. Guerra Junqueiro, “A morte de D João, Introdução,” Pag. 34