Página:A bandeira nacional (Eduardo Prado).pdf/53

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
34
Astronomia

sul da Ecliptica. As outras constellações escolhidas, além do cruzeiro, convenientemente destacadas, são o triangulo austral, o escorpião, a virgem ( Espiga ), argus, ( Canopo ) [1] e o grande cão ( Syrius ). [2] A virgem tem parte no hemispherio norte e parte no hemispherio sul, extendendo-se, aquella, acima da Ecliptica. A sua estrella mais bella, a Espiga, pertence ao nosso hemispherio, e a essa estrella está ligada a memoria da descoberta da precessão dos equinoxios pelo fundador da astronomia, o immortal Hyparco [3]. Ella não podia, pois, deixar de ser escolhida. Na bandeira, está figurada acima da Ecliptica, para quebrar a monotonia do hemispherio boreal. Procyon; que é a unica estrella das escolhidas que está no hemispherio norte, não podia ser collocada acima da Ecliptica, porque a constelação está ao sul dessa linha. A liberdade esthetica, pelo contrario, permittia collocar a Espiga acima da faixa representativa do Zodiaco, por se tratar de uma constellação que tem parte acima e parte abaixo do plano da orbita terrestre, e de uma estrella que bastaria uma pequena variação, na inclinação desse plano, para transportal-a ao norte delle. Mas ella foi representada junto á faixa.»

Apreciação Philosophica, pelo sr. Raymundo Teixeira Mendes.


  1. Aliás, a Nau Argo — ἠ Aργώ e não, Argus, ὀ Aργος que é cousa muito differente do celebre Navio.
  2. Aliás, Sirius.
  3. Aliás, Hipparcho — ὀ Ἵππαρχος.