Página:A campanha de Canudos.pdf/13

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
a campanha de canudos
9

das tempestades ha de repetir por muitos annos, penetrando até ás frinchas das serras que alcantilam o norte da Bahia ?

Antonio Vicente Mendes Maciel, conhecido depois por Antonio Conselheiro, nascera em Quixeramobim, da antiga província do Ceará. Descendia de uma familia, cujos membros— na maior parte — soffriam de alienação mental. Seu pae — Vicente Mendes Maciel — fora um dos celebres Macieis, cuja coragem tornara lendário esse nome declinado na historia criminal daquelle Estado ; era negociante, homem bonito, a tez ligeiramente morena, vigoroso e inteligente, mais retrahido, taciturno, mau, e perigosa­mente desconfiado, bem que muito cortez, obsequiador e honrado. Tinha momentos terríveis de cólera, principalmente si tocava em alcool. Era de uma valentia indomita, e meio surdo.[1] A mãe de Antonio Conselheiro chamava-se Maria Maciel, mas era geral­mente conhecida pelo appellido de Maria Chana.

Depois de ter deixado a escóla primaria, Antonio Vicente, que era de indole docil, intelligente e avesso aos prazeres, havia iniciado o estudo da lingua latina, e duvidoso não è que lograsse aproveitar do ensino de seus professores, porquanto, dispunha de certa cultura que de muito lhe valeu no desem­penho do papel que escolhera para alcançar nomeada.

Um medico illustrado escrevia, em 1897 :

« Antonio Conselheiro ó seguramente um simples louco. Mas, essa loucura é daquellas, em que a fatalidade inconsciente da moléstia registra com precisão instrumental o reflexo, senão de uma época, pelo menos do meio em que ellas se geraram. » E accrescentava : « a crystallização do delirio de Antonio Conselheiro no terceiro periodo de sua psychose progressiva, reflecte as condições sociologicas do meio em que se organizou. »[2]

Antonio Maciel, porém, se casara em tempo com uma parenta, filha de Francisca Maciel, irmã de seu pae. Não foi, to­davia, feliz em seu lar. Desavindo-se com a sogra, liquidou

  1. João Brigido, Publicações diversas, pags. 108 a 109.
  2. Revista Brasileira, tomo XI, Estudo pelo dr. Nina Ribeiro.