Página:A campanha de Canudos.pdf/24

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
20
a campanha de canudos

os magotes de homens armados cerraram fileiras junto á porta da capella ; e, ao passarmos, disseram todos — louvado seja Nosso Senhor Jesus-Christo: saudação freqüente e commum, que só recusam em rompimento de hostilidades.

Entrando, achámo-nos em presença de Antonio Conselheiro, que saudou-nos do mesmo modo.

Vestia tunica de azulão, tinha a cabeça descoberta, e empu­nhava um bordão. Os cabellos crescidos, e sem nenhum trato, a cahirem sobre os hombros ; as hirsutas barbas grisalhas, mais para brancas ; os olhos fundos, raras vezes levantados para fitar alguem ; o rosto comprido, e de uma pallidez quasi cadaverica ; o porte grave e ar penitente : davam-lhe ao todo uma apparencia que não pouco teria contribuido para enganar e attrahir o povo simples e ignorante dos nossos sertões.

As primeiras palavras que trocámos foram sobre as obras, que se construíam, e ello convidou-nos a examinal-as, guiandonos a todas as divisões do ediflcio.

Chegados ao côro, aproveitei a occasião de estarmos quasi sós, e disse-lhe — que o fim a que eu ia era todo de paz, e que assim muito estranhava só enxergar ali homens armados ; e não podia deixar de condemnar que se reunissem num logar tão pobre tantas famílias entregues á ociosidade, e num abandono e miséria taes, que diariamente se davam de oito a nove obitos.

Por isso, de ordem e em nome do sr. arcebispo, ia abrir uma sancta missão, e aconselhar o povo a dispersar-se, e a voltar aos lares e ao trabalho, no interesse de cada um e para o bem geral.

Emquanto dizia isto, a capella e o côro enchiam-se de gente, e ainda não acabara eu de falar, já elles a uma voz clamavam: nòs queremos acompanhar o nosso Conselheiro. Este os fez calar, e, voltando-se para mim, disse:

« E’ para minha defesa que tenho commigo estes homens armados, porque v. revma. ha de saber — que a policia atacou-me, e quiz matar-me no logar chamado Maceté, onde houve mortes de um e outro lado.

No tempo da monarchia deixei-me prender, porque reco­nhecia o Governo; hoje não, porque não reconheço a republica.»