Página:A campanha de Canudos.pdf/34

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
30
a campanha de canudos


Deus guarde a v. ex.revm a.— Exmo. e revmo. sr. conego Clarindo de Souza Aranha, digno governador do arcebispado do Estado da Bahia — Fr. João Evangelista de Monte Marciano, missionário apostolico capuchinho.»

Antonio Conselheiro, entretanto, continuava a se esforçar pela edificação da capella, em cujas obras fr. João Evangelista o encontrara; e, terminada que foi ella, emprehendeu a construcção de uma grande egreja, para o que dispunha já de grosso capital, angariado mediante esmolas, enviadas de varios logares, algumas ató por pessoas abastadas, cuja veneração pelo Sancto Homem cada dia accentuava-se mais.

Para levarem ao cabo o edificio projectado era necessaria, porém, certa quantidade de taboado, que só no Joaseiro poderia ser mais facilmente obtida. Com este proposito, pois, foi a essa cidade um certo Macambira, emissário do Conselheiro. E, tendo effectuado a desejada compra, despachou a madeira pelo rio S. Fran­cisco abaixo, até o Jacaré, sitio que dista de Joaseiro 100 kilo­metros, mais ou menos. Ali, o Conselheiro aguardava a chegada de sua encommenda, que — fez transportar para Canudos á ca­ beça dos devotos, desde muito dispostos a semelhante saerificio.

Corria já o anno de 1896 quando o citado Macambira di­ rigiu uma carta ao coronel João Evangelista Pereira e Mello, pedindo-lhe — que comprasse em Joaseiro novà porção de ta­boado, cujas dimensões e grossura determinava. Logo que houve abundancia de madeira no mercado, o coronel preveniu disto ao missivista. E então se espalhou — que o Conselheiro estava se promptificando para ir ao Joaseiro escolher, ele proprio, o material de que carecia.

E, como succede com quasi todos os boatos, esse foi se avo­lumando de momento a momento, de modo que — dentro em pouco — a noticia se tinha transformado numa ameaça tre­menda.

O Conselheiro, invadindo a cidade, — ordenaria um saque geral ao commercio. Em seguida, tiraria uma vingança cabal do juiz de direito da comarca de quem não gostava, por factos acontecidos em Bom Conselho, onde esse magistrado havia anteriormente servido.