Página:A campanha de Canudos.pdf/38

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
34
a campanha de canudos

nem Uáuá era habitado pela gente do Conselheiro, que ali estava apenas de pousada, nem que o fosse — nada accrescentava ao brilho da diligencia tamanho descomedimento, que até poderia prejudicar interesses de outros brazileiros, alheios inteiramente ao conflicto.

Nos tempos que correm, no estado actual da civilização, e perante os principios do direito das gentes moderno, taes excessos não podem ser justificados, sobretudo tratando-se de uma guerra civil.

Circumstancias diversas, porém, concorreram para que a força, commandada pelo tenente Pires Ferreira, chegasse a Joaseiro quasi em completa debandada. Abandonara ella em Uáuá grande quantidade de munições de guerra, e algum armamento mesmo, parte do qual foi posteriormente obtida pelo já citado coronel Evangelista, que em tempo remetteu-a para o chefe de policia da Bahia. Por toda a estrada, veriflcaram-se algumas deserções.

Do tratamento dos feridos, que penosamente alcançaram aquella cidade, se encarregou, com a maior solicitude, o dr. Antonio Rodrigues Cunha Mello, que a todos conseguiu salvar, sendo-lhe necessário para isso praticar diversas operações cirurgicas.

Poucos dias depois, o destacamento se recolhia a seu quartel, na capital do Estado.

Em aviso de 11 de dezembro, o Ministério da guerra mandou louvar o tenente Pires Ferreira pelo modo por que se portara ante a invasão de malfeitores no arraial de Uáuá, e bem assim o sargento Anacleto e o soldado Caetano ( sem mais nada) dos quaes fizera o referido tenente especial menção.

Para conhecimento cabal do incidente, todavia, me parece acertado transcrever aqui a parte, dada a respeito do combate pelo proprio tenente Pires Ferreira.

Do cotejo delia com o que já deixei relatado resultará, natu­ralmente, toda a verdade dos acontecimentos, que muito importa não seja deturpada já mais.

Leiamos, pois, o interessante documento.

. . . . . . . . . . . . . . .