Página:A escravidão dos negros.pdf/16

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
xii

mas que, talvez por isso mesmo que é bôa, não é adoptada no nosso, de onde parece que ha muito fugiram espavoridas as bôas nórmas, e que hoje vive de expedientes mais ou menos disparatados.

     Pois bem. Todos os que lerem o trabalho do illustre Condorcet, que óra lhes offereço traduzido, concordarão commigo que, trazendo á recordação esses grandes monumentos da palavra a que me referi, em nada lhes é inferior quanto á clareza e precisão. e á todos excede na força do raciocinio.

     Considerando a questão, primeiramente sob o ponto de vista philosophico geral, e depois descendo á sua analyse pratica, esclarece-o por tal modo o illustre Condorcet n'este seu trabalho, que todos os que tiveram a furtuna de o ler, convirão em consideral-o a condensação mais completa, mais clara e precisa e mais bem executada que é possivel fazer-se da grande discussão que tem suscitado por toda a parte a solução de tal problema.

     Pelo seu lado pratico, referindo-se as Reflexões á abolição da escravatura nas colonias francezas de producção de assucar e anil, applicam-se perfeitamente ás actuaes circumstancias do nosso paiz para o qual muitas de suas paginas parecem sido escriptas.

     Bem sei que das medidas principaes propostas por Condorcet em 1731 para a abolição gradual da escravatura n'essas colonias, as duas primeiras (extincção do trafico e emancipação do ventre) já se acham felizmente relisadas entre nos, si bem que sem as cautelas indicadas pela grande previsão d'esse illustre homem de estado, e que a terceira marca, para a emancipação gradual dos escravos existentes, prazos que hoje seriam exessivamente longos. Mas, de tal alcance são as medidas complementares propostas para coadjuvar a transfoma-