Página:A escravidão dos negros.pdf/30

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
26
A ESCRAVIDÃO

mas tambem as donzellas, o que nunca foi referido de povo algum?! Pois que?! si não fossem os Europêos procurar negros na Africa, os Africanos matariam os escravos que óra destinam á venda?! Cada um dos dous partidos adversos preferiria desancar seus prisioneiros á trocal-os mutuamente?! — São factos inverosimeis, e para acreditarmol-os são precisos, portanto, testemunhos de valor, que não os das pessõas empregadas no commercio dos negros. Nunca tive occasião de frequentar taes pessõas; sei, porém, que havia tambem entre os Romanos homens que se occupavam em identico commercio, e o nome com que eram designados é ainda hoje uma injuria.[1]

     2.° — Admittindo mesmo que se salve a vida do negro que se compra, nem para isso se deixa de commetter um crime comprando-o, si é para revendel-o ou reduzil-o á escravidão. Seria exactamente caso identico ao do homem que, depois de ter salvo um infeliz perseguido por assassinos, o roubasse. Ou então, si se suppõe que os Europêos determinaram os Africanos a não mais matar seus prisioneiros para vendel-os, attribue-se-lhes acção identica á do

  1. Leno, onis — A' principio significava apenas negociante d'escravos; como, pnrém, elles vendiam tambem escravas bonitas aos voluptuosos de Roma, o apellido tomou nova significação. E' esta uma das consequencias fataes do officio de negociante d'escravos; por isso, nos proprios paizes bastante barbaros para que tal profissão não fosse considerada como criminosa ella foi sempre considerada infame pela opinião publica em geral.