Página:A morgadinha dos canaviais.djvu/128

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


—­Então que boa fortuna o traz por aquí, sr. Pertunhas?—­perguntou elle.

—­Ai, é verdade; eu lhe digo ao que venho. É para lhe pedir um favor, meu caro sr. Augusto. Eu bem sei que é abusar da sua bondade... Quousque tandem, Catilina... Mas, é por está vez...

—­Já sei; quer que lhe vá dar lição aos rapazes.

—­Ah! grande maganão, que adivinhou—­exclamou o mestre, abraçandoAugusto com effusão.—­É isso mesmo, se lhe não custasse...

—­Irei.

—­É que... eu lhe digo, eu tinha hoje de ir ao ensaio da philarmonica... Percebe o senhor? Os Reis estão ahi á porta e as outras festas do Natal, e não ha tempo a perder... Percebe? E eu tenho ainda umas peças do Trovador para ensinar á minha gente. São muito bonitas... Poh! poh! poh! E então este anno, que pelos modos temos cá o conselheiro e maïs o pequeño... Não contando com esse sujeito que ahi chegou a Alvapenha. Chama-se Henrique de Souzellas, é sobrinho da velha, da D. Dorothéa, e julgo que ainda aparentado no Mosteiro. Lá chamam-lhe primo. Esteve lá está manhã um par de horas, logo que saiu da minha repartição. Dizem-me que é filhote de Lisboa, solteiro, rico e sem modo de vida. Rico e sem modo de vida! Que lhe parece, hein? Olhe que sempre ha gente muito feliz! Aquí para nós, sabe ao que me cheira a visita d’este senhor? Aquillo é mosca que vem ao cheiro do mel. Que diz, hein? Ninguem me tira d’isto. Pois não lhe parece, hein?

—­Não sei bem o que quer dizer com a imagem—­respondeu Augusto, levemente enfadado.—­Além de que não posso adivinhar as intenções de um homem que pela primeira vez encontrei está manhã.

—­Pois está claro que não; nem eu; mas emfim uma pessoa logo tira pelo que vê... Ora pois diga, um rapaz de Lisboa, afeito a divertimentos, a boa musica, et coetera, andar leguas e leguas para se