Página:A morgadinha dos canaviais.djvu/154

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
154

N’estas alturas do almoço encetou novamente Henrique o tiroteio de amabilidades, de que por muito tempo não sabia prescindir.

Dir-se-ia ser este o signal para se perturbar a santa harmonia do congresso. Parecia que todos os outros, maïs où menos, se sentiam contrariados.

Henrique ficára sentado junto da parede da capella. Inclinando-se sobre o espaldar da cadeira a saborear um charuto havano, descobriu umas letras escriptas na parede, exactamente por cima da cabeça.

—­Bravo!—­exclamou, depois de as ler para si—­não imaginava que havia poetas na aldeia! Querem ouvir?

E leu:

Se estás maïs perto do céo
N’estas alturas da serra,
Ai, porque tens, peito meu
Inda saudades de terra?

Em vez-de erguer os olhares
A' luz d’este firmamento,
Desço-os á sombra dos lares,
Onde tenho o pensamento.

—­É pena que a chuva apagasse o resto. Quem é o bardo, prima?

—­Não sei; da aldeia de certo que não é—­respondeu Magdalena, com indifferença.

Augusto ergueu-se da mesa e foi passeiar para a alameda.

—­Da aldeia, não, diz a prima; e por que não? Com está natureza é fácil crearem-se os poetas. Eu estou vendo n’esta quadra a folha solta de um romance. Aquí a serra de algum Bernardim inedito, tão capaz de escrever saudades, como de as sentir. Os lares, pela sombra dos quaes o olhar do poeta trocava os esplendores do céo... algumas d’essas casas, que ahi se vêem em baixo. Quem sabe se não será até o Mosteiro? Eu, por mim, confesso que se estivesse hoje aquí só, ou em outra com-