Página:A morgadinha dos canaviais.djvu/188

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


os chimicos sabem que... o ar que não é puro... é mau para a saude publica. Ora os cadaveres... em putrefacção produzem uns vapores que corrompem o ar... Ha uns insectozinhos invisiveis que a gente respira... e vão para a massa do sangue e corrompem-a... e o resultado é a febre... porque a febre são os humores a ferver... como o vinho no lagar... e se sáem, muito que bem; e se não sáem, ficam retidos e azedam o corpo todo.

A theoria physiologica pathologica foi recebida com attenção igual á que merecera a economica.

—­Tudo isso será assim,—­disse o padre—­mas o conselheiro faz aquillo por instigações das lojas maçonicas e dos pedreiros livres.

—­Pois elle será tambem?...—­disse um dos lavradores, arregalando os olhos assustados.

—­Ora que dúvida! Pois aquella gentinha é toda da sucia.

—­Corja!—­resmungou o sr. Joãozinho.

O brazileiro, que se filiára no Brazil na maçonaria, fez um discurso sobre os fins da sociedade, que ninguem entendeu; vendo, porém, que não calavam nos animos aquellas doutrinas, mudou repentinamente de rumo.

—­Elle não será mação—­disse d’ahi a momentos o padre—­mas é vêr o que elle tem defendido nas cámaras; queria roubar ás irmandades e ás freiras os bens que ellas possuem; appeteceu-lhe o exemplo do cunhado, que se encheu com a compra do Mosteiro; queria acabar com o santo sacramento do matrimonio; queria que cada qual seguisse a religião que muito bem lhe parecesse. Vejam que christão aquelle!

Estás novidades abalaram os lavradores, que formularam algumas palavras de censura.

—­E tambem falou para acabar com os morgados e com os vínculos.

—­A falar a verdade, os vínculos...—­murmurou o