Página:A morgadinha dos canaviais.djvu/203

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


e consoladoras, quando me lembro de que Angelo será um dia... o que eu já hoje sou, um pouco desilludido, um pouco sceptico... com franqueza o digo, hesito em impellil-o ao redemoinho e pergunto a mim mesmo se maïs não valeria dizer-lhe: Angelo, vive obscuro e tranquillo n’este retiro do Mosteiro, conserva aquí a ideal pureza da tua alma e procura a felicidade nas satisfações do coração. A lucta da vida pode embriagar-te, filho, mas não te fará feliz.

—­Mas não admitte possivel que um homem possa atravessar a vida politica, sem sacrificar um só artigo do seu primitivo credo?

O conselheiro esteve algum tempo silencioso, depois respondeu:

—­É difficil. Se um dia a fôrça das circumstancias realisasse, como um phenomeno natural, uma revolução completa nas camadas politicas do paiz a ponto de trazer á superficie de uma só vez uma geração nova, impolluta, inspirada de sentimentos generosos e de sinceras crenças, então sim, não bastaria o tempo de uma vida para produzir n’esses homens reunidos, que uns aos outros seriam ao mesmo tempo exemplo e vigilancia, a inquinação que eu receio. Mas lance esses mesmos homens, um a um, a sós com os seus principios e com os seus esforços, insulados no meio de uma camada quasi toda composta de elementos velhos, e cada um, após uma lucta impotente de momentos, où se retirará, fiel aos principios, mas desanimado pela inefficacia da sua intervenção, où ficará, cedendo á corrente e deixando-se penetrar do espirito pouco ideal, que rege as massas. Só um d’esses caractères de excepção, que são raros na historia do mundo, é que poderia luctar e vencer na lucta. E a esperar tanto de Angelo não chega o meu affecto paterno.

—­Não o fazia tão pessimista, sr. conselheiro;—­disse Henrique—­conceda-me que julgue em demasía