Página:A morgadinha dos canaviais.djvu/252

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
252

aquella, em que de pequenos nos educam para com a Virgem. Que esperanças tenho? Nenhumas. Nem procuro alimental-as. Quer que lhe diga? Vêl-a; respirar estes ares que ella respira; atravessar estas devezas em que ella passeia; amimar as mesmas crenças que ella amima; soccorrer, com o meu óbulo de pobre, a miseria sobre a qual ella espalha caridosa as dadivas da sua abençoada opulencia... e, ahi está; são as minhas aspirações; é o futuro que desejo, e com que me contento. Leu no meu coração, disse; e ha muito que m’o dá a entender; mas não viu claro de todo, confesse. Julgou talvez que haveria em volta d’este sentimento um enxame de esperanças loucas, e d’ellas se ria. D’ellas por certo foi que se riu; é muito generoso para se rir do mais. Enganou-se, porém, tio Vicente; vê agora que se enganou, não é verdade? Essas esperanças não existem. Se existissem, bem vê que não estaria aqui. Não me teria impellido a ambição pelo caminho de realisal-as? Não se me teem offerecido os meios para tental-o? Mas, veja, quero-lhe tanto, e tanto me satisfaz esta felicidade a meu modo, que não arrisco um instante d’ella para tentar uma ventura maior.

O herbanario escutava silencioso, porém meneando a cabeça com ares de quem não punha demasiada fé n’aquellas palavras.

— Aos vinte annos!... — disse elle por fim — sentir o que dizes... ser feliz assim!... Deixa passar mais tempo; deixa tomar corpo á paixão e verás... verás depois...

— Tem dez annos — disse Augusto, sorrindo.

— Dez annos!

— É verdade. De creança a conheço, a paixão que diz; por isso confio n’ella. Tenho fé em que se não transviará.

— Dez annos! — repetia o velho, admirado. — Porém... ha dez annos...

— Ha dez annos saí eu d’aqui, tio Vicente. Não