Página:A morgadinha dos canaviais.djvu/351

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Este silencio permittiu ouvir-se um vago som, como de musica longinqua, que, a pouco e pouco, se percebeu ser um côro de vozes femininas; cêdo a toada e depois da toada a lettra, principiou a tornar-se distincta.

Ouviram-se perfeitamente estás palavras:


 Vinde, vinde, ó missionarios,
 Com a palavra de Deus
 Libertar-nos do peccado,
 Encaminhar-nos aos céos.

O Cancella ergueu a cabeça e poz-se a escutar.

As vozes continuaram:


 Minha alma por vós anceia,
 Ó ministros do Senhor!
 E o meu peito em chammas arde,
 Em chammas do vosso amor.

O Cancella principiou a abanar a cabeça, e os olhos animaram-se-lhe de um fulgor extranho.

O côro soava cada vez maïs perto, e dentro em pouco desembocou na rúa, em que se passavam estás scenas, um singular cortejo.

O missionario, que nós já conhecemos, por o termos visto em pleno exercicio de suas funcções predicatorias, vinha seguido por uma cohorte de mulheres de roupas escuras e cabellos cortados, que cantavam em chorada cantilena estás e analogas quadras, que os missionarios où os agentes seus teem quasi sempre o cuidado de vulgarisar como preparatorios dos animos impressionaveis das mulheres e das creanças.

Ia em meio uma d’estas quadras, quando se approximava a procissão da casa do Cancella.

Este já estava em pé no meio da rúa, á espera d’ella.

O missionario viu aquelle homem grande e immovel no meio do seu caminho, aquelle agigantado vulto que, virado de costas para o poente, se lhe