Página:A morgadinha dos canaviais.djvu/388

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


lhe nos labios um sorriso entre de ironia e de triumpho.

Offerecendo á morgadinha a carta que lêra, disse-lhe, com um modo que a impressionou:

—­Veja se comprehende a significação d’esta carta, que estava na pasta do sr. Augusto, do amigo de seu irmão. A mim parece-me que as creanças não a comprehenderiam bem.

Magdalena olhou para Henrique e depois para a carta, que principiou a ler.

Succedeu-lhe como a Henrique; cêdo a dominava uma anciosa curiosidade, que a obrigou a ler com rapidez até o fim.

Ao acabar, amorfanhou-a com raiva, arrojando-a ao chão; escondeu o rosto entre as mãos e não pôde reter o pranto que lhe rebentava dos olhos.

D. Victoria parou a olhal-a, estupefacta.

—­Que é isso, Lena? Santo nome de Deus! tu que tens, menina?

—­É que ha momentos, minha tia,—­respondeu Magdalena, fitando-a com os olhos arrazados de lágrimas—­em que eu não sei como se résiste á loucura; em que, para não duvidarmos de nós mesmos, é necessario duvidar da Providencia, que dizem que protege os bons.

E levantando-se n’esta agitação nervosa, saiu da sala, suffocada pelos soluços.

D. Victoria interrogou Henrique a respeito da causa d’este episodio, que ella não podia comprehender.

Henrique respondeu simplesmente:

—­Succedeu, minha senhora, que a carta encontrada na pasta do sr. Augusto parece-se muito com aquella de cujo extravío o sr. conselheiro se queixa e que foi publicada nos periodicos de Lisboa.

D. Victoria esteve algum tempo a pensar na verdadeira significação da resposta.

—­Mas... n’esse caso... visto isso...

—­Visto isso, só o sr. Augusto pode explicar o mysterio