Página:A morgadinha dos canaviais.djvu/426

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
152

—­É verdade! é verdade! Abaixo! abaixo!

—­São invenções dos pedreiros-livres!

—­É isso, é isso... Pois não vêem que são de pedra!

—­Abaixo! Abaixo!

O sr. Joãozinho, arrojando de si o chicote, tirou um machado das mãos de um homem que lhe ficava proximo, e deu alguns passos para o tumulo.

Magdalena collocou-se deante d’elle.

Já não estava pallida; tinha nas faces o rubor, nos olhos o lampejar da indignação.

—­Afaste-se, senhor!—­bradou ella, estendendo a mão para o ébrio, que parou a fital-a com olhos espantados. Nem sequer pouse os pés nos degraus d’esta sepultura. Aquí repousa minha mãe. Atraz!

A figura, o olhar, a voz, as palavras de Magdalena exprimiam uma das resoluções energicas e potentes d’aquella indole sympathica, que aos affectos e branduras de mulher sabia combinar a firmeza e energia quasi varonis.

O morgado sentiu uma vaga consciencia da sublimidade d’aquella scena, e ficou enleado.

Porém o Cosme, o seu genio mau, não sei que lhe murmurou ao ouvido, que elle desatou a rir a maïs alvar gargalhada que ainda escancarou bôca humana.

Estendendo para Magdalena a mão callosa e grosseira, disse-lhe, com um sorriso que tinha tanto de cynico como de estúpido:

—­Está dito! Toque! Gosto d’esse desengaño! Toque!

Magdalena repelliu-o com despreso e aversão.

—­Ah! ah! Faz-se fidalga!—­disse o sr. Joãozinho, despeitado.—­Pois não anda bem.

O missionario inclinou-se ao ouvido de um homem do povo que, depois de escutal-o, bradou:

—­Abaixo com o tumulo dos pedreiros-livres.

—­Abaixo!...—­repetiram muitas vozes.

—­Pois vá abaixo!—­repetiu tambem o sr. Joãozinho, adeantando-se com o machado.