Página:A morgadinha dos canaviais.djvu/458

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


—­A sr.^a morgada?—­perguntou Henrique, sem bem saber o que devia pensar da resposta e de tudo que via.

—­Sim, senhor; a sr.^a morgada, e não tarda aquí. Ella esperava-o.

—­Ah! A sr.^a morgada esperava-me?

—­É verdade—­disse a mulher, sorrindo.—­Adivinhou que o senhor vinha aquí. E o que é que ella não adivinha?

Henrique dava tratos á imaginação para comprehender está scena.

—­Então é a sr.^a morgada em pessoa que...

—­Que o convida para tomar uma chavena de chá—­disse uma voz por traz d’elle.

Henrique julgou conhecer o timbre d’aquella voz.

Voltou-se, viu a morgadinha que entrava na sala, com o sorriso nos labios e a mão estendida, com aquella habitual franqueza de maneiras, que de tantos encantos a revestia.

Henrique exclamou, admirado:

—­A prima Magdalena!

—­A morgadinha dos Cannaviaes, se faz favor. Competia-me fazer as honras da minha propriedade, que pelos modos está para ser muito visitada hoje. Chamei, para me acompanhar, a Brizida, que viveu muitos annos aquí com a minha madrinha, e hoje vive em casa sua do rendimento do legado que aquella senhora lhe deixou. A Brizida é quem se encarrega de vir, de quando em quando, abrir as janellas d’esta casa, para que os ratos não a destruam de todo, e os tortulhos lhe não enfeitem as paredes.

—­Mas como soube que eu?...

—­Isso é um segredo. Não o esperava, porém, tão cêdo, nem imaginei que nos viesse ter assim ao intimo da casa. Fiquei embaraçada quando o vi. Ao principio quasi julguei que era a alma de minha madrinha. Mas fez bem em recolher-se... Ouve?

E com o gesto indicava a chuva, que já batia com fôrça nas vidraças.