Página:A morgadinha dos canaviais.djvu/465

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


d’esse altar, que eu lhe prometto maïs do que uma paixão ephemera de rapaz, prometto-lhe a constante adoração, rodeada de respeito, do homem que as suas virtudes reconciliaram com o mundo. Acceite, Christina, acceite o offerecimento do meu coração.

Christina tremia sem poder responder.

Magdalena entrou por sua vez na capella.

—­Não se pode exigir assim uma resposta directa, primo Henrique—­disse ella.

Christina, cada vez maïs surprehendida por estás successivas e inesperadas apparições, correu para a prima.

—­Tu, Lena! Tu tambem aquí?!

—­Então não me competia receber em minha casa as visitas? Mas vamos, dize-me aquí ao ouvido a resposta que queres que eu dê por ti ao sr. Henrique de Souzellas, que me parece acaba de te pedir, muito terminantemente, a tua mão.

Christina não respondeu, senão cingindo-a maïs intimamente ao seio.

—­Não responderam os labios, primo,—­continuou a morgadinha—­mas falou o coração ao meu na linguagem das pulsações. Estou-o sentindo.

—­E disse?...

—­Que havia de dizer? Que sim.

E Magdalena, que tinha a mão de Christina na sua, extendeu-a a Henrique, que a apertou apaixonadamente e a beijou de novo.

Parece-me poder affirmar que d’esta vez já houve correspondencia.

O velho Torquato, farto de esperar de fóra da capella, e achando que as rezas se prolongavam de maïs, resolveu chamar Christina.

Ao entrar divisou porém très pessoas em logar de uma só, que esperava, e recuou estupefacto e aterrado.

Suppôz que almas penadas andavam na capella.

O bom do homem não ousava approximar-se.