Página:A morgadinha dos canaviais.djvu/473

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


—­Sim?—­disse o conselheiro, dobrando os papeis que lia, e simulando um ar de intéresse, que realmente estava muito longe de sentir.—­Então de que se trata?

—­De um negocio importante, em que é preciso que seja ouvido.

—­Ah! Então é um caso de consciencia?

—­E não o diga a rir, que é. Aquí o sr. Henrique de Souzellas acaba de me fazer um pedido... Isto é, a prima Dorothéa foi que m’o fez.

—­Mas por ordem d’elle—­acudiu está.

—­Pois sim, o que era escusado.

—­Mas então que pede de nós este caro sr. Henrique?

—­Nem maïs nem menos do que uma das nossas pequenas.

O conselheiro relanceou um olhar para Magdalena. Já, por maïs de uma vez, a hypothèse do casamento da filha com Henrique lhe tinha passado pela ideia, e de modo algum lhe era antipathica. Henrique tinha um bom nome, rendimentos sufficientes, e, se quizesse, um futuro na sociedade, e o conselheiro tudo isto invejava para seus filhos.

Magdalena, que percebeu no gesto do pae a ideia que elle tivera, quiz tiral-o quanto antes da illusão e disse:

—­Quem maïs razão tinha para protestar era eu. Ha de fazer-me falta a amizade de Christina.

—­Ah!—­disse o conselheiro, com um sorriso um tanto contrafeito.—­Então quer-nos roubar a nossa Christina, sr. Henrique?

—­É apenas uma restituição que peço, sr. conselheiro, porque não me posso resignar a viver sem coração.

—­Faz madrigal? Está então apaixonado devéras, já vejo—­disse o conselheiro.—­Pela minha parte folgo de o vêr assim associado á minha familia, por tão bom caminho. Mas onde está a thaumaturga, que fez o milagre de converter este celibatario emérito,