Página:A morgadinha dos canaviais.djvu/477

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


dizer ao cunhado do administrador que o traçado da estrada era o peor que podia ser, que se gastava alli um dinheiro louco, sem utilidade para o povo.

O conselheiro olhou para Henrique, dizendo:

—­Lembra-se do que eu lhe disse na noite do Natal, a respeito d’este traçado e dos pedidos do brazileiro para elle se adoptar? Admire agora o velhaco.

Henrique sorriu, encolhendo os hombros.

—­Arremedos do que se faz em terras maiores—­disse elle.—­Não extranho.

—­E tem razão—­respondeu o conselheiro.

—­Mas, a final—­continuou o conselheiro—­o homem não tinha na freguezia grande influencia. Como é que...?

—­Tem-se popularisado ultimamente um pouco maïs. Deu em franquear vinho por ahi a toda a gente, e depois os padres estão bem com elle e de mal com v. ex.^a.

—­Mas como se lhe desenfreou tão de repente esse odio contra mim? Deixámo-nos em janeiro nas melhores disposições um para com outro...

—­Pelos modos que ahi se falou de uma carta do ministro où ao ministro...—­disse o Tapadas, com maneiras de quem não dera grande importancia ao objecto a que se referia.

O conselheiro mudou logo de assumpto.

—­E os padres? os padres? Que heresia disse eu, que peccado grande commetti, para me terem esse odio?

—­Dizem que v. ex.^a é mação—­respondeu um lavrador.

—­O diacho da questão do cemiterio...—­acudiu o Tapadas.

—­Isso acalmou já.

—­Não acalmou, não senhor. O povo não está contente. É certo que lhe passou a furia do principio, depois d’aquella historia com o Cancella, mas...