Página:A morgadinha dos canaviais.djvu/50

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


sacco, extrahiu um não muito volumoso masso de cartas, que despejou n’um cesto de vime, e tomou apontamentos.

Era digno do pincel de um artista aquelle grupo de physionomias, que seguiam ávidas todos os movimentos de mestre Bento. Olhos e bôcas abertas, mãos juntas, pescoços estendidos, a cabeça inclinada para receber o menor som, tudo caracterisava profundamente a anciedade que lhes dominava os animos.

Mestre Bento Pertunhas achou a occasião apropriada para dizer a Henrique:

― Pois, senhor, eu nasci para artista. Quasi sem mestre aprendi a tocar trompa e, não é por me gabar, mas prezo-me de tocar com certo mimo e expressão.

Henrique volveu o olhar para o auditorio; apiedou-o a consternação d’aquellas physionomias. Resolveu valer-lhe.

― Tem a bondade de vêr se ha alguma carta para mim?

― Ah! pois já as espera hoje?

― Não é provavel; porém...

Mestre Bento Pertunhas, em vista d’isto, começou em voz lenta e fanhosa a leitura dos sobrescriptos.

Seguiu-se novo e não menos interessante espectaculo.

A cada nome proferido, erguia-se quasi sempre uma voz, ás vezes um grito; estendia-se por cima das cabeças um braço, e, podemos accrescentar ainda que se não visse, alvorotava-se um coração.

Outros, os não nomeados ainda, olhavam com anciedade para o masso, que diminuia, e cada vez mais se lhes assombrava o semblante.

― Luiza Escolastica, do logar dos Cójos ― lia mestre Pertunhas.

― Sou eu, senhor, sou eu; ai, o meu rico homem! ― exclamou uma mulher joven, apoderando-se ávidamente da carta.