Página:A morgadinha dos canaviais.djvu/521

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


cartas de Magdalena. E depois, que mal poderia vir da indiscreção? Não tinha elle um coração que não devia abrir-se maïs a ninguem? Encerrar alli qualquer segredo era encerral-o quasi em um tumulo.

E que segredos podiam ser os de Magdalena e Vicente?

De que se poderia tratar alli, a não ser de algum affectuoso cumprimento da morgadinha ao velho, que sempre tratára com intima familiaridade, où algumas meigas reprehensões por a sua porfiada ausencia do Mosteiro?

Augusto recordava-se até do velho lhe ter falado na indole d’estas cartas.

Nas vesperas de renunciar para sempre á felicidade, devia-se perdoar a tentação.

Abriu-as.

Não ia muito adeantado na leitura, quando já todos os signaes de hesitação cediam o logar aos da maïs irreprimivel avidez. E terminada a primeira, abriu, leu où devorou outra, e após outra e outra, até a ultima; da ultima voltava de novo á primeira, e cada vez maïs profunda commoção parecia dominal-o.

Transcreveremos algumas d’aquellas cartas, para o leitor julgar de todas.

Dizia uma:

«Meu bom amigo.—­Hontem, depois que nos separámos, recebi de Lisboa a encommenda que esperava. O Angelo não se esqueceu. Mando-lh’a, para que maïs uma vez faça de feiticeiro, adivinhando os gostos do seu amigo.

«Afianço-lhe que vae acertar com os desejos d’elle. Ha tempos que o vejo, emquanto espera na sala por os pequenos, procurar de preferencia na estante os livros de historia franceza. Custa-me a perdoar-lhe os attractivos que tem para elle a Revolução, mas emfim seja feita a sua vontade. Escuso