Página:A morgadinha dos canaviais.djvu/551

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
277

traram então na sala, e de boa vontade se associaram áquella manifestação de alegría, sem querer saber o que a motivára,

São assim as creanças. Alegres por instincto, saudam as scenas alegres sempre que as vêem, sentem-as antes de as explicarem.

Fôram innumeraveis os beijos, os abraços, as palavras de affecto, os sorrisos, as lágrimas, as exclamações pueris que se trocaram entre os diversos actores d’esta scena de familia.

Chegado a este ponto da minha narração, nada melhor posso fazer do que deixar á imaginação dos leitores concluil-a.

Haverá algum tão malfadado, que na sua vida não tenha visto representada uma scena assim?

Esse mesmo, se existe, obriga-me a não proseguir.

O quadro que reproduzisse, exacerbar-lhe-hia o desconsolo da alma, de que por certo é victima.

Paremos aquí, para que nos fique nos ouvidos este jovial rumor de beijos, de risos e de vozes de alegría, porque, a prolongarmos maïs a narração, vêl-o-hiamos abafado pelos sons revolucionados e anarchicos da philarmonica da terra, que não tardará a festejar a nomeação do conselheiro, e sobretudo pelo estridor da tuba do mestre Pertunhas, tuba verdadeiramente épica, e capaz de mudar a côr ao gesto, como a de que fala o poeta.

Fechemos pois aquí a historia, dando apenas succinta conta dos acontecimentos ulteriores.



CONCLUSÃO



O conselheiro partiu no dia seguinte para Lisboa, para tomar parte na pilotagem da nau do Estado. Estive tentado a dizer, para satisfação de animo dos