Página:Apoteosis poetica.pdf/9

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
CANÇÃO.
 

EGREGIA flor da Luſitana Gente,
Nobre inveja da eſtranha,
D’antigos Reis preclaro deſcendente,[1]
Luiz, a quem ſe humilha quanto banha
Do Grão Tridente o largo Senhorio,
Deſd’o Amazonio, até o Argenteo Rio.[2]

Em quanto concedeis repouſo breve
Ás redeas do Governo,
Ouvi a Muſa, que a levar ſe atreve,
Ao ſom da Lyra de ouro, em canto eterno,
O Nome voſſo a ſer brilhante Eſtrella,
Onde habita immortal a Gloria bella.

Só ás Filhas do Ceo foi concedido
Do Lethes frio, e laſſo
Os Heroes libertar; calca atrevido
Tempo devorador, com lento paſſo,
Tudo quanto os mortaes edificarão;
Nem deixa os écos das acções, que obrarão.

  1. Para verificar-ſe Real a Aſcendeneia deſta Excellentißima Familia, baſta notar, que fendo a ſua varonîa de Vaſconcellos, e tendo principio no Conde D. Oſorio, eſte caſou com D. Rufa, Neta d’El Rei D. Fernando; e igualmente que o Excellentiſſimo Senhor Affonſo de Vaſconcellos, ſetimo Conde da Calheta, caſou com a Princeza Pelagia Semfronia de Rohan, de quem naſceo o Illuſtriſſimo, e Excellentiſſimo Senhor Joſé de Vaſconcellos e Souſa, quarto Conde de Caſtello-Melhor.
  2. Deſde o Rio da Amazonas até o da Prata eſtão as Provincias, que formão o Eſtado do Brazil.