Página:As relações luso-brasileiras.pdf/58

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
56

exportação de 1.299, e dos Estados-Unidos 4.960 contos contra 974 de exportação.

O Brasil foi, pois, então, o que sempre tem sido, o nosso melhor freguez. Ao crescimento do commercio universal com o Brasil é que não corresponde a nossa exportação actual.

Do relatorio do sr. David Campista, ministro da fazenda do Brasil[1], em 1907, resulta que de 1902 para 1906 a importação proveniente de Portugal cresceu 34,9%, contra o augmento, em egual periodo, de: 35,6% para a do Chile; 41,8% para a da Gran-Bretanha; 45,6% para a da Hespanha; 49,5% para a da França; 68,4% para a da Argentina; 83% para a da Allemanha; 36,5% para a da Belgica.

Os valores livres no Brasil, em mil réis, ouro, moeda brasileira, dão, no anno de 1906, os algarismos seguintes para essa importação:

Procedencias
Importação em contos de reis
Portugal 
 19.330
Chile 
 393
Gran-Bretanha 
 82.612
Hespanha 
 2.379
França 
 27.176
Argentina 
 31.190
Allemanha 
 43.316
Suissa 
 2.660
Belgica 
 11.432
Italia 
 9.274

Bastaria este quadro para não acreditarmos que os outros paizes emigrantistas nos deslocaram, no forneci-


  1. Relatorio do Ministerio da Fazenda em 1907, pag. 60.