Página:As relações luso-brasileiras.pdf/76

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
74

zonia; do café de Santos e Rio; do assucar de Pernambuco, Sergipe e Alagoas; do tabaco bahiano; da monazite do Espirito Santo e Bahia; e do mais que fôra longo mencionar incessantemente a descarregarem tudo isso, alli, em Cacilhas! Outros transatlanticos, dia e noite, alli mesmo, a encherem os porões de productos brasileiros para o Havre e para Hamburgo, Antuerpia, Liverpool, Hull, Amsterdam, Plymouth, Londres, Rotterdam, Genova, Cádiz, Barcelona, Napoles, Marselha, etc!

Que lindo movimento maritimo!

Que negocio! Só é pena que se não possa fazer…

É que as baldeações, descargas, transbordos e armazenagens onerariam os productos, que hoje vão o mais perto possivel dos consumidores, graças a uma navegação collossal sob todas as bandeiras.

É que um entreposto que torna mais caros os productos só serve para lhes diminuir o consumo.

É que a navegação demanda o Brasil porque, ao voltar, nos paizes por onde passa ou para que se destina existem mercados dos generos brasileiros, e porque milhares de toneladas de carga para o Brasil lhe compensam a viagem até lá.

O entreposto. Quando chegámos ao Brasil, em 1893, fallámos delle a um grande jornalista, amigo extremoso de Portugal e dos portugueses.

Achou a idea engraçada e ponderou: «Entreposto ideal é o navio — parque o café precisa sair de bordo e entrar no caminho de ferro para ser torrado no dia seguinte pela manhã, moido das 10 ao meio dia e tomado dessa hora em deante. No dia seguinte chega outro vapor e repete-se a historia.»[1]


  1. A phrase é de Ferreira de Araujo, insigne jornalista, cujos meritos não foram «cedidos por qualquer homem de imprensa de não importa qual paiz. O conceito parecerá exagerado; não é. Com effeito, tendo a