Saltar para o conteúdo

Página:Batalha de Oliveiros com Ferrabraz.pdf/11

Wikisource, a biblioteca livre

Disse Ferrabraz: então
Porque desses cavalleiros
Não veio a mim o Oliveiros
Guy de Borgonha ou Roldão?
Disse Oliveiros: isso não
Oliveiros está doente
Bofim tambem anda auzente,
Guy de Borgonha ficou,
Roldão nunca se occupou
Brigar com um turco somente.

Guarim tu tens me mentido
Disse que és novo guerreiro.
E´s antigo cavalleiro
Tanto que tu estás ferido.
Mais Oliveiros fingindo
Disse: esse sangue é d'agora
Eu estou são; porem embora
Tenha na junta algum callo,
O sangue é de meu cavallo
Que é muito duro de espora.

Depois de se levantar
Ferrabraz se preparou,
A Oliveiros rogou
Que o ajudasse a armar.
Oliveiros quiz faltar
Por achar que era um perigo.
Disse Ferrabraz: eu lhe digo
Confie em minha nobreza,
Eu não uzo da vileza
Para com meu inimigo.

Oliveiros se apeiou
Ajudou a Ferrabraz,
Com cortezias iguaes
Elle tambem o tratou.
Quando Ferrabraz se armou
Vestiu a saia de malha
Na qual não tinha uma falha
Feita por outros guerreiros,
Montaram-se os cavalleiros
Deram começo a batalha

Posto sem ordem prosseguiram
A lucta em estreitos passos,
Das grossas lanças os pedaços
De ambos ao longe cahiram,
Ambos logo se serviram
De duas finas espadas
Cortantes, grandes e pesadas
Que era uso dos guerreiros
Das feridas de Oliveiros
Foram tres as magoadas.