Saltar para o conteúdo

Página:Batalha de Oliveiros com Ferrabraz.pdf/16

Wikisource, a biblioteca livre

-2~


J,í tinh:1 SL' cspcd,1 . tc.lL>
A rn0is, ca pacêtc e tu de>,
Niio tinha rnais uni cscudcl
Que não tivesse quebrado.
As lanças tinham voadc>
Só as viseiras existia111
Elles já m. se cobri11n1
Nas horrivcis cutilaclas.


 
Somente as duas e~"adn .
Se111 d:1111no algu111 resisti:1111
l)liveiros se prep:iro11

E partiu ac> inirnigo...

() turco vio o
perigo

P. pé firrnc o esperou,
L11n golpe nelle deitou
Cn111 tanta disposiçãc>
Strn sl'r propositc> ou Irai<y·:Ju
Ne· ·es golpes lâo ligcir<>s,
O cavallo de Oliveiros
(::ihiu sen1 vida no chão.
·rurco tu estás b~n1 111011tadt)
E 111cu cavallo 111orreu.
r=errabraz lhe respondeu:

M:is eu não fui o culp:icl<>.
Nii<> fic:ir~s desar,n~dn

-29-


Que eu sei a orde1n t1ual é
Não desani111es na fé
Eu fui quen1 n1atei o leu.
Agora 111011tc no 111cu
E vou J)Clejar de pé.

l)isse-lhe Oliveira · : não
Fico tambe1n dcsn1ontado
Tu não fosse o CL1\pado
hssim era ser vilão.
Por certo cu tinha razão
Porque n1al.isse o meu,
Foi caso que :iconteccu
Era-111e feio acceital-o.
Não brigo só a cavallo
Podes descançar o teu.

Ahi Ferrabraz atou
Num arvoredo o cavallo
E disse vou dcscançal-o
Sua occasião chegou,
Para a batalha n1c1rchou
Con1 toda disposiç~o.
Oliveiras forte e são
Esperava-o cara a cara.
Com a espada Alta Clara
Rugindo que: só lt:ào.