Saltar para o conteúdo

Página:Batalha de Oliveiros com Ferrabraz.pdf/4

Wikisource, a biblioteca livre

Ninguen ahi respondeu
E Ferrabraz se apeiou,
Numa sombra se assentou
Em vozes altas rompeu,
Carlos Magno se escondeu?
Ou está hoje sem acção?
Os pares onde é que estão?
Não ouço nem um fallar,
Já não possa acreditar
Nas façanhas de Roldão.

Sahirei daqui dizendo:
—Carlos Magno se escondeu
Roldão não me appareceu
Talvez ficasse tremendo...
Estou só, como está se vendo
Elles são doze guerreiros
Como doze cavalleiros,
Não dão batallia a um só
Ou estão tornados em pó
Roldão, Ricardo, Oliveiros?

Eu sosinho nesta campanha
Contra um exercito francez,
E matal-o de uma vez,
Não digo que isto é façanha,
Um exercito não me ganha,
Ainda eu mesmo doente.
Como é que existe gente
Que se atreve a exaltar
E pelo mundo espalhar
Que Carlos Magno é valente ?

Carlos Magno perguntou
Quem tanto o insultava,
Quem tão rebelde fallava.
Ricardo ahi lhe explicou
Lhe disse esse que chegou,
É um grande da Turquia.
Turco de muita energia.
Impera sobre seu throno.
É o legitimo dono
Do reino de Alexandria

Aquelle foi o que entrou
Dentro de Jerusalém
Não respeitando ninguem
Até apostolos matou.
No templo sagrado achou
Balsamo que Deus foi ungido
Cousas que tinham servido
Na paixão do Redemptor,
A corôa do Senhor
Tudo foi subtraido.