Página:Broqueis.pdf/69

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


VISÃO DA MORTE


Olhos voltados para mim e abertos
Os braços brancos, os nervosos braços,
Vens d'espaços estranhos, dos espaços
Infinitos, intérminos, desertos...

Do teu perfil os timidos, incertos
Traços indefinidos, vagos traços
Deixam, da luz nos ouros e nos aços,
Outra luz de que os céos ficam cobertos.