Página:Camões e o amor.pdf/10

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


IV


UM VERSO DE CAMÕES


Não desço agora á fria sepultura,
Não roubo á morte os pavidos segredos,
Não quero desfolhar com estes dedos
       4Do gelo a flôr de extranha formosura.

Não vou cingir na tua fronte pura,
Cheio de horror,—o labio e os olhos quedos,—
Por entre a noite e os tristes arvoredos,
       8D'uma fatal grinalda a eterna alvura.

Deixa que viva assim em treva absorto,
Cadaver, caminhando, tristemente,
       11Em demanda do meu perdido horto.

Já que ventura amor me não consente,
Que não recorde mais meu peito morto
       14Erros meus; má fortuna, amor ardente.