Página:Chrysalidas.pdf/159

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa



Quando, já finda a tormenta
Que a natureza enluctou,
Bafeja a brisa suave
Cedros que o vento abalou;

E o rio, a arvore e o campo,
A arêa, a face do mar,
Parecem, como um concerto,
Palpitar, sorrir, orar;

Então sim, alma de poeta,
Nos teus sonhos cantarás
A gloria da natureza,
A ventura, o amor e a paz!

Ah! mas então será mais alto ainda;
    Lá onde a alma do vate
    Possa escutar os anjos,
E onde não chegue o vão rumor dos homens;

Lá onde, abrindo as asas ambiciosas,
Possa adejar no espaço luminoso,
Viver de luz mais viva e de ar mais puro,
    Fartar-se do infinito!