Página:Contos Populares do Brazil.pdf/123

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


ses conta de um annel que minha mãi tinha perdido tambem no mar, sob pena de perderes a vida, o que tudo conseguiste por meus conselhos? Não te alembras quando fugimos, para escapar da morte, no cavallo que corria tanto como o vento, e, sendo perseguido por meu pai, nos salvamos por meus encantos? Não te alembras que isto aconteceu por tres vezes, que na ultima nos viramos n'uma roseira com uma rosa, e uma mamangaba, que tudo fiz para te salvar a vida, e tu ingrato me esqueceste e vaes-te casar com outra? O pombo ia alevantando a cabeça à porporção que o rei se ia lembrando do que se tinha passado com elle, e o rei desfez o tracto do casamento e recebeu por mulher aquella que o tinha livrado da morte.




XXIII


João mais Maria


(Rio de Janeiro e Sergipe)


Uma vez houve um homem e uma mulher que tinham tantos filhos que resolveram deitar fóra um casal para se verem mais desobrigados. N'um bello dia o pai disse a João e Maria que se apromptassem para irem com elle tirar mel no matto. Os dous meninos se apromptaram e seguiram com o pai, que desejava mettel-os na matta e deixal-os lá ficar. Depois de muito andar, e quando já estava bem embrenhado, o pai disse aos filhos: «Agora esperem aqui, que eu vou alli, e quando eu gritar vocês se dirijam para o lado do grito.» Depois de andar um bom pedaço, o pai gritou e retirou-se para traz, em busca de sua casa. As crianças ouvindo o grito, se dirigiram n'aquella direcção, mas não encontraram mais ao