Página:Contos Tradicionaes do Povo Portuguez.pdf/141

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


fronte d’esta casa viviam duas feiticeiras, mãe e filha, que, invejosas da formosura da irmã mais nova e do modo como tratava as irmãs mais velhas, lhe levaram uns coentros e lhe disseram:

— Deite a menina estes coentros nas sopas de suas irmãs, mas não coma d’ellas.

A pequena na sua sinceridade assim fez; mas logo que as irmãs comeram aquillo, logo se tornaram em bois. A irmãsinha muito pesarosa tratou-os como se fossem gente. Passando o rei da caça viu a pequena, e agradado da sua formosura casou com ella e levou os bois para o palacio, tratando-os muito bem. A feiticeira sabendo isto prometteu vingar-se. Passados tempos, a rainha teve um menino, estando o rei na caça. Ouvindo isto a feiticeira foi com a sua filha e foi ter á rainha e lhe disse:

— Coitadinha! está tão doentinha!

E chegando as mãos pelas fontes lhe metteu dois alfinetes enfeitiçados. A rainha tornou-se em pomba e fugiu. A feiticeira metteu a filha na cama e foi-se embora. Chegando o rei, disse:

— Que é isto, que estás agora tão feia?

— É a differença da doença.

E a feiticeira mandou tratar os bois com folha e herva, e elles nada comiam. Havia no palacio uma cadellinha chamada Bola-Bola, e fallava. A pombinha vinha e dizia:

— Bola-Bola!

Respondia a cadella:

— Que quer, minha senhora?

«Como vae o meu menino

Com a sua ama nova?


— De noite, cala-se,

E de dia chora.