Página:Contos Tradicionaes do Povo Portuguez.pdf/176

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


— Só se me levares onde estão as princezas.

O begueiro, subiu pelas escadarias, e foi por corredores dar ao quarto das princezas. Ellas assim que o viram começaram logo a fallar e contaram-lhe tudo. Foram dizer ao rei que estava um homem no quarto das princezas, e que ellas fallavam. Veiu o rei, e a principio queria mandar matar o homem, mas as princezas contaram que elle é que as tinha desencantado, e que só elle é que tinha os anneis da memoria, e por isso só com elle é que podiam fallar.

Disse o jumentinho ao rapaz:

— Dá-me agora a minha orelha.

— Dou-t’a, mas só depois de ter casado com a princeza herdeira do reino.

O rei consentiu no casamento, e aconteceu que a primeira que elle tinha desencantado é que era a princeza herdeira, e por isso a outra não teve de que ter ciumes. Os dous homens que tinham fugido com ellas, tiveram medo dos poderes do Bengala de dezeseis quintaes, e não estavam para flustrias, deram á perna. Torna o moléquinho a apparecer ao rapaz:

— Dá-me agora a minha orelha.

— Só t’a dou, quando arranjares as coisas de geito que eu entre a reinar.

O caso é que o rei deu-lhe uma doença, e foi indo, a ficar chupadinho, que morreu. Bengala de dezeseis quintaes foi acclamado rei, e só depois de subir ao throno é que deu a orelha a seu dono.

(Santa Maria — Famalicão.)


48. A TORRE DE BABYLONIA

Era uma vez um pescador, que indo certo dia ao mar encontrou o rei dos Peixes. O rei dos Peixes pediu-lhe que o não levasse. O pescador consentiu, mas a mulher