Página:Contos Tradicionaes do Povo Portuguez.pdf/199

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


tado, porque te basta a deshonra da tua filha. E a elle não o castigo, porque a sua fidelidade é maior do que o meu desgosto.

(Algarve.)



59. O CAMAREIRO DO REI

Era uma vez um rei que era muito amigo dos seus camaristas, e prometteu a cada um um dote para se casarem. Um d’elles quiz ir viajar para escolher mulher que fosse linda, esperta e honrada. Chegou a uma grande quinta, e logo nos primeiros degráos que davam para a casa encontrou uma menina linda a mais não ser. Pediu pousada, e veiu um velho lavrador que o recebeu com boas maneiras e foi-lhe mostrar a casa:

— Que tal lhe parece?

— Acho-a excellente; mas só o frontispicio é que está muito baixo.

Foi o velho lavrador mostrar-lhe os seus campos e sementeiras:

— Então que tal as acha?

— Muito boas, se não estiverem já comidas.

O lavrador nada percebia do que ouvia; porque a fachada da casa era alta, e tinha ainda as tulhas cheias de grão. Á noite appareceu á mesa uma magnifica gallinha, que a filha do lavrador trinchou, dando a cabeça ao pae, as azas á mãe, os pés para o hospede, e ficou com o peito para si. O lavrador não quiz perguntar á filha por que é que fazia aquillo; mas de noite, no seu quarto, contou á mulher a conversa com o camareiro, e notou como a filha tinha trinchado a gallinha.

A filha que ouviu tudo do seu quarto, disse de lá:

— Eu sei o que queria dizer o nosso hospede; o frontispicio da casa que era muito baixo, dizia-o por mim, porque me encontrou no patamar da escada; a ceára já