Página:Contos Tradicionaes do Povo Portuguez.pdf/227

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


dentro e foram-na deitar ao mar. A redoma foi ter á terra onde o rei costumava passar o verão, e os pescadores de lá a encontraram e trouxeram-na para a terra. Na palma da mão tinha escripto: Santa Helena. Fizeram-lhe uma ermida, onde guardaram a redoma. Vindo o rei áquelle logar, pediu para lhe contarem de quem era aquella redoma, e quando se chegou mais perto, conheceu logo que era sua esposa, e muito arrependido ali morreu deixando em lembrança que ninguem fizesse apostas.

(Ilha de S . Miguel — Açores.)




77. O GUARDADOR DOS PORCOS

Era um homem casado, que tinha um rapaz que lhe guardava os porcos. Indo o rapaz uma vez para o pasto, chegou-se um homem a elle dizendo:

— Vendes-me esses sete porcos?

— Não vendo senão seis; mas o tio hade dar-me já os rabos e orelhas d'elles.

Ficou o contracto feito; o rapaz recebeu o dinheiro, e logo ali cortou as orelhas e os rabos dos seis porcos. Chegando a um charco, espetou no lodo as orelhas e os rabos dos seis porcos, e enterrou o septimo porco até meio do corpo. E foi logo a gritar ter com o amo, para o vir ajudar a tirar os porcos, que tinham cahido no charco. Veiu o amo, e assim que puchou vieram-lhe os rabos na mão; com medo de perder os porcos todos, disse ao criado:

— Vae a casa e diz á minha mulher que te dê duas pás, para pucharmos os porcos cá para fóra.

O criado que sabia que o amo tinha duas saccas de dinheiro, chegou a casa e disse á mulher:

— O patrão manda dizer que me entregue as duas saccas de dinheiro.

A mulher desconfiou; mas o criado disse que ella